"Decifra-me, disse eu á esfinge...
o.O 

o.O 

Livre do previsível e discordando de todas as leis da física; fazendo imoralidades parecerem coisa de criança e provando que valores são tão relativos e improváveis quanto a própria galáxia. Chegue mais perto e livre-se de todas as tuas defesas; desnude-se das preocupações e desligue o senso lógico; deixe-me ver o que há por debaixo das suas mil e uma facetas; abra as janelas e deixe que as cortinas flutuem, mostrando o caminho que meus olhos devem percorrer; estes atravessarão sua pele, esquadrinhando cada pedaço do teu paraíso particular, em busca da possível fórmula que te desvenda e resolve inteira. É que meu instinto meio canibal clama por tu’alma crua; e minha boca enche-se d’água só de pensar que na tua inocência de menina-moça. Entregue-se para mim e deixe que eu encontre a paz para a guerra fria em teu ser; aconchegue-se em meus braços e eu juro que te darei respostas quando o prazer escorrer sob nossos lençóis, fazendo-nos explodir num delicioso e intenso “wargasm”. E só assim, talvez você entenda que eu sou o código que decifra o teu problema.

R-etalho..

(Decifra-me)

 
Tenho duas armas para lutar contra o desespero, a tristeza e até a morte: o riso a cavalo e o galope do sonho. É com isso que enfrento essa dura e fascinante tarefa de viver.
Ariano Suassuna 
Um neo hippie talvez; cruzamento de mitos, profecia de runas, predestinado por velhos escritos, do espetáculo da vida contrarregra, encontro do peixe fora d’água com a ovelha negra.
Transtorno Poético.
I really, really do.

I really, really do.